Patinas e oxidação do metal

As patinas e oxidação do metal, são designadas como uma camada de oxido que se forma naturalmente, pela exposição aos elementos e ao clima, ou artificialmente, com a adição de produtos propositada de químicos como forma de obter um acabamento original num na superfície de um determinado metal. As técnicas de patinas e oxidação do metal variam de metal para metal, assim como os agentes de oxidação tem de ser diferentes consoante o metal que se quer obter patinas ou oxidações.

Patinas e oxidação natural ou artificial

Oxidação da prataNo cobre e no bronze a patina tem tendência a ser esverdeada ou azulada, na prata o resultado mais comum é o cinza escuro. Normalmente a coloração acontece devido a uma exposição ao ar e contato da superfície do metal com variadas partículas expostas no ar. O processo de patinas e oxidações do metal, quando é natural pode levar muito tempo a ser conseguido, no entanto é possível obter estes resultados de patinas e oxidações de uma forma artificial, expondo os metais a determinados ambientes criando as condições necessárias para que obtenham as patinas e oxidações do metal desejadas.

Quando o metal é submetido ao calor, podem surgir na superfície diferentes tipos de tons e cores que ocorrem de um processo de oxidação do metal. As cores raramente se apresentam uniformes, as oxidações e patinas do metal devem sempre ser a ultima tarefa a ser feita numa peça de metal. O facto de ser uma película sensível, não pode ser exposta aos trabalhos como martelar, soldar, branquear, recozer, que são inerentes ao processo de fabrico de uma peça de joalharia.

Oxidação da prata

A oxidação da prata, funciona melhor quando as peças tem uma superfície com diferentes tipos de profundidades, relevos e sulcos do que se a peça for completamente lisa e polida. Os trabalhos com oxidação de prata mais interessantes são quando as reentrâncias  sulcos e gravações se oxidam na prata e nas partes mais salientes se faz um acabamento acetinado ou polido a contrastar com as zonas de oxidação da prata.

Normalmente, das patinas e oxidação da prata, adquire-se um produto próprio  um oxido de prata com uma cor acastanhada escura, onde a prata é mergulhada e a oxidação é imediata, dando uma tonalidade cinza escura à prata muito interessante. depois de exposta à oxidação da prata, deve-se passar prata por água e um sabão liquido para retirar o oxido de prata da peça. Muitas vezes o oxido de prata resulta melhor quando está morno, a peça adquire um oxido mais uniforme e regular.

FÍGADO DE ENXOFRE (oxidante/patina de prata)

Antes de existirem as patinas e produtos de oxidação de prata já compostos, uma das patinas/oxidações mais utilizadas no escurecimento da prata era o fígado de enxofre, é um composto de potássio e enxofre usado para o escurecimento de prata, cobre e bronze. No entanto, apesar de ser denominada como uma oxidação/patina da prata, o fígado de enxofre tem apenas uma reacção superficial da prata criando uma leve película de tons

Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *